Monday, October 13, 2014

Transição

É fato que a única verdade sobre o tempo é que ele rege a aparência e modela novas formas permanentemente. Assistimos perplexos a renovação de inúmeras coisas, sobretudo, as produzidas pela técnica e engenho humano, porém, deixamos de notar que na invisibilidade e sutileza de um movimento quase imperceptível, ocorre a "grande mudança". É fato, por isto, que a distração da maioria oculte a infalibilidade do tempo como senhor da renovação absoluta.
Já é tempo de perceber, no entanto, que fenômenos ocorrem em muitos setores, em níveis mais ou menos profundos, tanto no clima como no tecido social, que evidenciam a chegada de uma grande transformação: a civilizacional. Seja pela obrigatoriedade de adaptação às condições climáticas -  a escassez de recursos, é o maior fator de mudança - ou pela reação de grupos cada vez maiores de pessoas que simplesmente buscam suas realizações "fora" do modo determinado pelo modelo econômico e político, voltando-se mais uma vez para formas de organização comunitária - é o caso de hortas urbanas, vilas ecológicas, cooperativas artísticas e culturais, e mais tantas outras. Um dos fenômenos que mais chama a atenção é o unschooling ou desescolarização: a educação fora da escola. Assim, o que se poderia chamar "escola da vida", termo que usualmente foi banido do meio "formal" por preconceito e soberba, é hoje reinventado e torna-se claramente a base que consolidará os fundamentos de uma nova civilização. Civilização que nega a legitimidade do modelo de educação imposto pelas antigas formas do Estado, e que claramente deverá formar pessoas capazes de entender processos muito mais amplos e criativos de realização. O devir portanto é a própria Arte, e esta, é sua face instantânea. Quem souber desaprender tornar-se-á um sábio em potencial.  

Thursday, August 14, 2014

AIN - o Nada inapreensível.

...seres utópicos tendem à eternidade ou ao desaparecimento, sendo de uma forma, visíveis, e de outra, invisíveis, mas nunca ausentes na mente do homem que busca a si mesmo. Naquilo que este homem pode compreender sobre o eterno, vê os efeitos desta utopia no tempo; e no que não pode compreender, busca superar suas causas com sua imaginação, a sua morte. Andriole 

... ofício de artista é lutar até o fim para que não haja perdedores após o espetáculo, mas apenas "força".

...enquanto a turba uiva, há pés leves voando sobre um mar de conjecturas.

Monday, February 17, 2014

...do amor e do devir.

"Sempre haverá o duplo movimento da verdade do Ser manifesta no tempo, trata-se de uma condição. Tudo decorre da forma de apreensão, do modo como se diz: “isto é real”. Forma esta que ora é dada pelo imediatamente externo para o interno, e ora é pura intemporalidade, pelo imaterial. Assim, dizemos que "isto é..." mas este algo é puro movimento antes de ser interno ou externo. O devir. É deste ponto, o devir inapreensível por ser processual, que tudo "vem a ser" para fundar a não localidade, lá onde o espaço é verbo, “é”, portanto, a "região invisível do refluxo do ser", por assim dizer numa aproximação poética, região da magia e do encantamento, na qual, todos os sentidos se alimentam do que são, sendo em si efeito e causa de uma fonte maior absoluta. Alguns a chamam de Deus, outros Tao e outros ainda "existência". De lá, reiteramos a consciência do ser na matéria, e permanecemos num moto perpétuo, sendo ilogicamente e extraordinariamente isto que somos: seres do devir. Para além disto, desta "alusão linguística", apenas podemos dizer que as são representações: lá fora e em nós.
Esta região, imanente e absoluta, é de onde tudo "isto" - ser e não ser - sempre É "mais do que isto", pois que engendra a potência transcendental que para nós é inefável, porém, perceptível e ao alcance dos "sentimentos últimos da alma livre". Desta percepção inventamos a palavra "amor".
Há, portanto, indiferente a ordem social, da história, e da lógica, o que é dito pelo extraordinário, e ele sempre nos comove e alça para onde somos mais felizes." Andriole.


...a água da terra.

...tentar resolver a questão política, seja ela em que nível ocorra, é o mesmo que tentar resolver uma goteira colocando panelas onde ela pinga. Tudo se dá num só e mesmo objeto: o ser humano. Não há portanto solução "política". O que é política afinal? Uma área da atividade humana, uma condição da espécie e um caminho de autoconhecimento. Mas sendo "área", "condição" ou "caminho" está subordinada ao que é sua origem: o homem! Fala-se de "reforma política" assim como mudar o "tipo de panela" que receberá o pingo d'àgua. Onde está a reforma humana? Em que disciplina escolar ela é contemplada na grade curricular atual para formar a mentalidade das crianças? Dirão alguns: talvez na arte, porque nela estão contidos saberes de todas as outras áreas para dar suporte à expressão do espírito. Pode ser. Mas se assim é, que tipo de formação deve ser requerida de alguém que detém em sua assinatura o destino de recursos de uma comunidade inteira? Como confiar o destino de reservas ambientais a um economista que tem engenheiros como conselheiros? Como confiar o destino dos nossos filhos a produtores de "entretenimento" do gênero BBB? Como confiar a saúde de nossos CORPOS à "INDÚSTRIA" farmacêutica? Terão estas competências qualidade para gerir setores inteiros sem o apoio de outros saberes que lhes escapam absolutamente? Quem buscaria um escultor para tratar do dentes? Ou um pintor para problemas de logística? Trata-se tudo recorrendo a especialistas, quando de outra forma, a solução pode ser mais econômica, eficaz, divertida e estética se pensada de forma multidisciplinar, multiétnica e de caráter transcendente. A vida não é um problema político, mas a política é uma problema para a continuidade da vida.
Terra: é preciso ser água e alimentar as sementes de um novo dia, chorar, se for o caso, mas fazer subir a seiva que será uma folha levada pelo vento um dia.

diferença e igualdade

...a diferença é o que define, no mais, tudo é igual: sem mais nem menos.

...você mesmo pelo outro em poucos minutos!

...mais um sinal claro dos tempos: recebo hoje a seguinte oferta de serviços em meu gmail: CRIE AQUI SEU LOGOTIPO GRÁTIS! SÃO MILHARES DE MOTIVOS QUE VOCÊ MESMO PODE ESCOLHER PARA SUA MARCA EM APENAS ALGUNS MINUTOS! Ps: comentários dos usuários do serviço: "Porque pagar para alguém criar meu logotipo se tem um site que faz isto para mim de graça?" Evidentemente, todos eram semelhantes ao que conhecemos por "clip art".
A QUESTÃO:
A dissolução da identidade anunciada por alguns filósofos - vide Adorno, Horkheimer, Elias, entre outros - está atualmente tão banalizada que assume o contorno de "serviço". Pode parecer besteira hoje, mas daqui há alguns anos pode ser trágico. Quando um patético personagem surgiu proferindo discursos absurdos sobre "raça pura" e "destino superior" a "inteligentzia" o ridicularizou, para em seguida erguer os braços e ser encaminhada para campos de concentração. Não se deve rir daqueles que se levam a sério em seus absurdos, tampouco aceitar seus argumentos em nome da "pluralidade de pensamento". As coisas são o que são e devem ser esclarecidas. O que nos define é a diferença e originalidade, se um dia isto não existir, incorremos na ausência do valor do indivíduo em detrimento de um "destino superior para a raça".






não se reprima

...antes de reprimir o outro que se revolta contra o inaceitável, pense se não foi você que se conformou com a situação e por isto o levou rebelar-se por você.

era uma vez...

..."Era uma vez uma vez", e com passar do tempo, a história crescia e se multiplicava... até que, passados os séculos dos séculos, resolveram experimentar: "Eram duas vezes uma vez", mas isto não sou bem, e assim, se tentou variar a história por milhões de milênios: eram três vezes, quatro, cinco e seiscentos e sessenta e seis vezes... até não haver mais condições, nem sentido algum, em se dizer mais do que "era uma vez", e por isto, a história humana ficou assim: era uma vez o homem, e ele nada sabia de si, além de que era um personagem numa história que começou certa vez há muitos milhões de milênios, num lugar que já não existe mais, num reino distante.


Tuesday, January 14, 2014

Andriole - ARTE PENSAMENTO INTUIÇÃO E TAROT

Aos amigos, anuncio aqui este talento que desenvolvi ao longo dos últimos dez anos de estudo: o Tarot. Inicialmente meu estudo tinha o objetivo do autoconhecimento e desenvolvimento da intuição - já postos em movimento com o ofício de artista. Depois destes anos de prática informal, apenas com os amigos mais próximos, venho a abrir esta atividade para os que estiverem interessados em buscar a si mesmos. O Tarot é um oráculo tradicional, amplamente difundido e conhecido por todas as regiões do planeta. Baseia-se na interpretação dos Arcanos, maiores e menores, que incidem sobre cada momento histórico, revelando aspectos que de outra forma não viriam a ser pensados conscientemente. A interpretação do numerológica do nome é também uma forma de ampliar a compreensão do que somos em essência. Esta é a atividade que venho a iniciar neste ano de 2014. Agradeço aqueles que compartilharem esta postagem. Abraços a todos!



Sunday, August 11, 2013

condição

...para nascer é preciso ser não nascido ou ter morrido, entre uma e outra coisa, a primeira é um estado de graça, a segunda uma segunda chance ou punição, por isto, é preciso nascer e morrer a cada instante para realmente poder dizer ter valido a pena ter existido...